As vantagens das Terapias Não Farmacológicas

Dia Internacional da Terapia da Fala – Entrevista com Marta Seara
06/03/2018
Envelhecer com saúde
03/04/2018

As vantagens das Terapias Não Farmacológicas

O conceito de terapias não farmacológicas (TNF) é usado há várias décadas para se referir a intervenções que, por meio de agentes primários não químicos, visam melhorar a qualidade de vida de pessoas saudáveis ou doentes.

Estas terapias baseiam-se numa intervenção terapêutica dentro de um contexto estimulante e que entendem o paciente como um “todo” (sujeito biopsicossocial), de modo que a intervenção seja adaptada às necessidades das pessoas que participam nelas e afete positivamente a pessoa e o seu ambiente social e familiar.

A pesquisa demostra que as intervenções não farmacológicas podem ser tão importantes, ou até mais, em alguns casos, como o uso de medicamentos para melhorar a qualidade de vida de pessoas com demência e seus cuidadores e para o tratamento de alguns dos principais sintomas desta doença.

Os efeitos das terapias não farmacológicas ocorrem em domínios relevantes como a qualidade de vida, a cognição, as atividades de vida diária, o comportamento, a afetividade, domínio físico-motor, bem-estar e qualidade de vida do cuidador, institucionalização e os custos.

Os OBJETIVOS terapêuticos do tratamento não farmacológico são:

– Estimular, manter ou melhorar as capacidades preservadas da pessoa
– Evitar a desconexão com o meio ambiente e fortaleça as relações sociais.
– Dar segurança e aumentar a autonomia da pessoa nas suas atividades da vida diária
– Estimular a auto-identidade e a auto-estima
– Minimizar o stress e evitar reações psicológicas anormais
– Atrasar ou diminuir a evolução da doença, melhorando o desempenho cognitivo e funcional
– Melhorar a qualidade de vida da pessoa doente e seus cuidadores familiares.

As terapias não farmacológicas podem ser classificadas em diferentes CATEGORIAS de acordo com:

A área da intervenção proposta: área cognitiva, área funcional, área emocional e área integral.
O grupo-alvo da intervenção: orientado para o doente, orientado para o cuidador familiar e orientado para o cuidador profissional.

O tratamento não farmacológico pode ser desenvolvido através de diferentes intervenções, onde se destaca:

– Estimulação cognitiva
– Estimulação psicomotora
– Treino das atividades de vida diária
– Estimulação sensorial
– Musicoterapia
– Arterapia
– Dança terapêutica
– Psicoterapia
– Terapia assistida por animais
– Psicoeducação para cuidadores

Para obter um bom resultado na aplicação do tratamento não farmacológico, é importante que as terapias sejam supervisionadas e desenvolvidas por profissionais especializados e capacitados para avaliar, acompanhar e validar a intervenção.

Na maioria dos casos, as terapias não farmacológicas serão usadas em conjunto com a terapêutica (medicamentos), procurando-se aumentar ou mesmo potenciar os seus efeitos.

Por exemplo, no caso das Demências, uma vez que apenas com a medicação não conseguimos avanços significativos, é fundamental investir em terapias não farmacológicas como um tratamento para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, familiares e profissionais.