A Doença de Parkinson

Exercício Físico Parkinson
A importância do exercício físico na Doença de Parkinson
25/08/2019
Terapia à distância
16/04/2020

A Doença de Parkinson

O que é?

É uma doença neurodegenerativa crónica e progressiva, que afeta maioritariamente as células nervosas responsáveis pelo controlo dos movimentos.

Qual é a causa?

A causa ainda não é conhecida mas, muito provavelmente resulta da combinação de fatores genéticos e ambientais.

A doença é hereditária?

A maioria dos casos é esporádica, sendo as formas genéticas (casos familiares) apenas 5-10% dos casos.

Qual o principal fator de risco?

A idade. A probabilidade de ter esta doença vai aumentado substancialmente com o envelhecimento.

Quais as características dos sintomas?

Os sintomas instalam-se lentamente e, geralmente começam de um lado do corpo, que tende a permanecer o mais afetado ao longo de toda a progressão da doença.

Qual o principal sintoma?

O sintoma mais frequente e conhecido é o tremor, afetando cerca de 70% dos doentes. Contudo, nem todos os doentes têm tremor.

Quais os outros sintomas motores?

Outros sintomas típicos são a lentidão e a rigidez dos movimentos. E, em fases mais avançadas verificam-se alterações da marcha, da postura e do equilíbrio.

Quais são os sintomas não motores?

As alterações que não se relacionam com o movimento incluem a dor, obstipação, diminuição do olfato, alterações do sono, pensamento e memória, depressão e ansiedade, perturbações urinárias e disfunção sexual.

Qual a evolução da doença?
A doença de Parkinson tem tendência a agravar ao longo dos anos. Mas, a gravidade da doença é muito variável de pessoa para pessoa.

Que tratamentos existem?
Atualmente, não existe cura. Mas, existe tratamento farmacológico para o controlo dos sintomas e, em alguns casos, pode optar-se por um procedimento cirúrgico. Existem também programas de reabilitação neurológica (não farmacológicos).

A melhor resposta terapêutica passa por uma intervenção multidisciplinar, que alia o benefício da reabilitação ao da intervenção farmacológica.

Autoria: Paula Pinheiro (Psicóloga do Centro Colibri)

Fontes: Associação Portuguesa de Doentes com Doença de Parkinson e Sociedade Portuguesa de Neurologia